Julho Verde traz alerta sobre câncer de cabeça e pescoço

Julho é o mês da conscientização e prevenção do câncer de cabeça e pescoço. Apesar da data de celebração ser 27, o mês de julho é conhecido por Julho Verde porque é usado para alertar sobre os perigos da doença.

Os tumores de cabeça e pescoço são uma denominação genérica do câncer que se localiza em regiões como boca, língua, palato mole e duro, gengivas, bochechas, amígdalas, faringe, laringe (onde é formada a voz), esôfago, tireóide e seios paranasais.

A cada ano no Brasil, são cerca de 41 mil novos casos anualmente, segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca). Os números correspondem a 4% de todos os tipos de câncer, sendo o terceiro mais incidente entre os homens brasileiros.

No Tocantins, a Deputada Estadual Luana Ribeiro (PSDB), criou um projeto de lei que insere julho no calendário oficial do Estado como o mês de conscientização sobre o câncer de cabeça e pescoço.

Deputada Estadual Luana Ribeiro em visita ao o ambulatório de reconstrução crânio facial do Hospital Geral de Palmas (HGP). Imagem: ASCOM.

“Estou abraçando esta causa e quero contribuir, agregar, colocar emendas, trazer equipamentos e recursos para que os pacientes sejam diagnosticados precocemente, e tenham tratamento adequado”, disse a parlamentar. 

Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP), os tumores de cabeça e pescoço podem ser assintomáticos no princípio da doença.

O diagnóstico das lesões iniciais é fundamental para garantir que os índices de cura se aproximem de 100%. Com o seu desenvolvimento, alguns sinais e sintomas podem aparecer, como manchas brancas na boca, dor local, lesões com sangramento ou cicatrização demorada, nódulos no pescoço, mudança na voz e rouquidão, e dificuldade para engolir.

A estudante Bárbara Alves de Freitas, de 24 anos, descobriu a doença em dezembro de 2017 depois que sentiu um torcicolo e precisou dormir com um travesseiro no pescoço. “Ao apalpar a região do pescoço onde tinha sido o desconforto, eu senti um caroço interno, que quando eu tocava ele saia do lugar mais ou menos do tamanho de um limão”.

Bárbara Alves de Freitas em fotos comparativas do dia de sua cirurgia para a retirada dos nódulos e uma foto atual, do acervo pessoal.

Ela disse que ficou preocupada, e contou aos pais sobre o que eu tinha sentido. “Alguns dias depois fomos ao médico ver o que estava acontecendo, dias se passaram, eu fui encaminhada para uma endocrinologista que me passou vários exames, desde tomografia à exames de sangue, que constataram a malignidade de três tumores. Dois na tireóide e um, na cervical”.

Bárbara foi operada um mês depois da descoberta. A cirurgia que deveria durar 3 horas, levou aproximadamente cinco horas e além dos três tumores, foram retirados em cirurgia metástases, linfonodos infectados, nervos e músculos. Atualmente a jovem faz revisão a cada seis meses.

Ainda segundo a SBCCP , evitar o tabagismo, o consumo abusivo de bebidas alcoólicas, vacine-se contra o papilomavírus humano (HPV), usar preservativos, manter uma boa higiene bucal, consultar-se regularmente com um dentista, ter uma alimentação equilibrada são dicas que podem fazer com que esse tipo de câncer seja evitado.

Além disso, é preciso fazer o autoexame para identificar sinais como feridas na boca que não cicatrizam há mais de duas semanas ou inchaços no pescoço. Caso encontre algum desses sintomas, é importante procurar um médico.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.