#Cerquilhas: Um livro sobre amores na era digital e o enfrentamento de relações abusivas

#Cerquilhas: Um livro sobre amores na era digital e o enfrentamento de relações abusivas

Por Thais Oliveira

A Bookwire Brasil, empresa especialista em livros digitais, divulgou dados importantes a respeito das vendas de ebooks que chegaram a duplicar, no período da quarentena. Esses dados mostram que o consumidor mudou o comportamento do consumo tradicional de livros para forma online. Desde 2014, o mercado de e-books está em crescimento e de março a maio de 2020, houve um aumento de 154%, no consumo de livros digitais de não ficção e, de junho a agosto, 227% de aumento das vendas de e-books infantis e juvenis.

Entrevista Natália Rezende e-book #Cerquilhas

  1. História do livro

No ano de 2011 eu estava enfrentando uma crise aos 21 anos. Pode-se dizer que estava “osso” a situação de estar perdida na vida. Eu já escrevia desde os 9 anos, mas, não via isso como uma profissão. Com o tempo percebi que poderia utilizar as redes sociais, e começar a publicar meus textos com o que sentia da vida. Fui muito elogiada neste período e meu perfil no Facebook, chegou rapidamente a 5 mil amigos. Todos me chamavam da garota do blog.

O livro #Cerquilhas é uma narrativa envolvente que é definida por uma brincadeira poética de diversos amores que nasceram e morreram nas esferas digitais. Eu comecei a escrever ele quando tinha 21 anos. O livro é composto por cartas de amor, que nunca foram entregues. Foi a forma que encontrei para escapar de um relacionamento abusivo que vivi na época.

Nunca tive computador para escrever um livro. Isso ocorreu quando decidi, realizar uma vakinha virtual que me deu espaço para a publicação. Antes disso, o livro foi escrito inteiro pelo celular, e escrevi os 4 últimos capítulos do livro em uma madrugada criativa.

Esse período de pandemia me permitiu publicar o #Cerquilhas em formato de e-book. Vendo na plataforma Amazon, porque dá renome. Ainda estou me preparando para em breve fazer ele impresso, juntamente com o segundo livro, Mulher SER. “Sonhos não envelhecem, né?” Quero que o livro ajude as crianças e adolescentes a se encontrarem nesse vasto universo cimentado das relações perpassadas pelo machismo.

Escritora Natália Rezende

Não estou obtendo retorno financeiro como gostaria da Amazon. No lançamento foi maravilhoso. Tem que ter muita estratégia e sorte na questão dos algoritmos hoje em dia. Tô trabalhando a audiência para a compra, mas, não vejo isso como o meu único ganha pão. Penso que publicar um livro muda a sua vida completamente. As pessoas valorizam status, e portas inarráveis sempre estão abertas pra mim. Sou o que sou pelo que escrevi nos últimos anos, e ganhar dinheiro com isso é a maneira mais “massa” da vida me retribuir. Ser escritora, com livro publicado me abre novos horizontes, cotidianamente, e eu me agarro a isso. Estou plantando na pandemia, pra colher, quando isso passar. Mas já há frutos. Belos frutos.

  1. Lançamento do livro

Ele só foi lançado em 2020, depois de 5 anos do término do meu relacionamento, isso quer dizer que tive acesso à Lei Maria da Penha e com isso entendi meu processo de libertação do abuso que sofria.  Enquanto mulher negra, no Brasil vi a importância da obra para os debates de raça e gênero. E isso, quando questiona-se a naturalização das imposições do amor romântico, precocemente imposto, para meninas e adolescentes no nosso país.

  1. Por que #Cerquilhas

#Cerquilhas é uma brincadeira com #hashtag. O nome foi escolhido para “aportuguesar”. Eu explico isso no prefácio do livro. As tags juntam informações, sobre o mesmo assunto, e Cerquilhas foi o nome escolhido logo depois de uma pesquisa de nomes para o nosso querido jogo da velha. Como junto muitos saberes, sentimentos, músicas e vivências nos meus escritos fiz essa brincadeira poética.

Comentários do Facebook

Redação