Comunidade indígena da ilha do Bananal recebe acompanhamento em projeto de Piscicultura

Comunidade indígena da ilha do Bananal recebe acompanhamento em projeto de Piscicultura

Com a finalidade de proporcionar segurança alimentar, bem com a geração de renda aos povos indígenas, o Governo do Tocantins, por meio do Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), vem prestando assistência técnica às famílias e associações na implantação de projetos agropecuários. A comunidade indígena Krahô, situada na Lagoa da Confusão, município que integra a região da Ilha do Bananal, é uma das etnias que está recebendo esse acompanhamento técnico na implantação de um projeto de piscicultura voltado para o cultivo da caranha, espécie que tem boa comercialização no Estado.

A iniciativa para a elaboração desse projeto surgiu a partir do trabalho de conclusão de curso do indígena Renato Pymcre Pityj Cruz Lima Krahô, hoje técnico agropecuário e gestor ambiental, que orientação técnica do Ruraltins na adequação do projeto e a viabilidade de sua implantação. Outra iniciativa relevante para o segmento do projeto foi a articulação na assembleia legislativa, com a liberação de R$ 100 mil, recurso de emenda parlamentar destinado pelo deputado Elenil da Penha.

A ideia de criação desse projeto partiu da necessidade de um recurso que favorecesse tanto subsistência da nossa comunidade, porque a gente sobrevive basicamente da pesca, à base do consumo de peixe, como também uma forma de geração de renda com a comercialização do excedente. E como técnico da área, a preocupação foi nesse sentido, de ter uma forma de subsistência sem agredir o meio ambiente. Encontramos o apoio do Ruraltins, que tem nos dado uma força enorme para a realização desse projeto e ainda conseguimos o recurso para que ele seja implantado. Tivemos algumas dificuldades burocráticas, que já foram sanadas, e acreditamos logo estaremos implantando esse projeto e mostrando essa conquista, o seu funcionamento”, reforçou o indígena Renato Pymcre Pityj Cruz Lima Krahô.

Com expectativas de produzir 10 toneladas de peixe por ciclo, o projeto será feito no sistema de cultivo em tanque elevado revestido de lona, e desenvolvido pela Associação Indígena Kraho AIK-Irom Kam Co, com acompanhamento técnico do Ruraltins. Atualmente a associação conta com 22 membros da comunidade Krahô, devidamente cadastrados e com a Declaração de Aptidão ao Programa Nacional da Agricultura Familiar (DAP) jurídica regular.

Segundo o gerente de Aquicultura e Pesca do Ruraltins, Andrey Costa, o Ruraltins entrou com toda a parte de assistência técnica, desde a reformulação da elaboração do projeto técnico, o dimensionamento para a captação do recurso à elaboração do plano de trabalho. “Agora entramos com a parte de regularização ambiental através do licenciamento e outorga do uso da água. Realizamos o cadastramento de todos os indígenas da associação, fazendo a DAP jurídica para que essa associação fosse isenta do pagamento de taxas. Os próximos passos serão aprovação e posteriormente a implantação dos tanques”, explicou o gerente.

Andrey Costa acrescentou ainda que a ação, além de oportunizar a subsistência alimentar dessa comunidade indígena como também para a geração de renda, vai trazer outro benefício relevante. “Com esse sistema de cultivo, a prática da pesca nos rios e lagos locais será reduzida, contribuindo assim para o repovoamento dos estoques pesqueiros”, ressaltou.

Fonte: Seco-TO

Foto: Divulgação

Comentários do Facebook

Redação