Rede municipal de ensino ainda dispõe de vagas na Educação Infantil de Palmas

Rede municipal de ensino ainda dispõe de vagas na Educação Infantil de Palmas

Quase três mil vagas para a Educação Infantil ainda estão disponíveis nas unidades da rede municipal de ensino. Do total de 47.042, apenas 42.128 foram efetivamente preenchidas por pais e responsáveis por alunos que já estudam nas escolas do município, mas ainda não efetivaram a matrícula. A menor procura é pela faixa etária de zero a três anos, mas há vagas disponíveis também no Ensino Fundamental.

A superintendente de Avaliação e Desempenho da Semed, Anice Moura, acredita que a menor procura por estas vagas deve-se ao fato de que os pais, uma vez que encontraram alternativas para os cuidados dos filhos no horário em que deveriam estar na escola, estão desatentos em relação à necessidade da matrícula.

“A matrícula é importante para garantir a vaga do aluno quando as aulas presenciais retornarem, após a pandemia ser superada. Ela também dá acesso a atividades disponíveis na ferramenta Palmas Home School, que podem ser desenvolvidas com o auxílio dos pais”, considera. A matrícula realizada no período regular também vai evitar correria e busca por vagas em última hora aos pais que não se atentarem ao prazo.

Pais ou responsáveis podem realizar quase todo o processo de matrícula de forma rápida e prática, por meio da internet e telefone. Após o cadastro do aluno no Sistema Integrado de Matrículas (SIMPalmas), a lista de classificação pode ser consultada em semed.palmas.to.gov.br/sim, informando a unidade educacional e a série pleiteada pelo aluno. 
As informações sobre documentação podem ser obtidas na unidade educacional selecionada no horário das 12 às 18 horas. A ligação é somente para tirar dúvidas sobre quais documentos devem ser enviados para o endereço eletrônico (e-mail) da escola, horário de funcionamento e turmas com vagas disponíveis. A matrícula só estará devidamente efetivada quando for autorizado o atendimento presencial pelas autoridades de saúde e os pais/responsáveis comparecerem a escola para assinar o requerimento.

Repasse do MEC depende das matrículas

Dentre as muitas consequências da pandemia de Covid-19 sobre o sistema educacional, mais uma se fez notar durante levantamento do total de matrículas efetivadas nas escolas da rede municipal de ensino. Como a transferência do Ministério da Educação é feita com base no Censo Escolar, a quantidade de alunos matriculados repercute diretamente no dinheiro que chega ao município. Se na data estipulada para envio do relatório com o quantitativo de matriculados, última quarta feira do mês de maio (que neste ano cai no dia 26) haverá cerca de cinco mil alunos matriculados a menos, e o repasse federal será proporcional a este número. “Quando a pandemia passar, o município terá que arcar com o custo dos alunos matriculados fora do prazo com menos dinheiro. É mais um motivo para que os pais estejam cientes da importância da matrícula”, explica.

Outro fato que deve ser observado pelos pais de alunos na faixa de zero a três anos é que a transferência para unidades da rede municipal só é possível entre os que já estão matriculados. “Mesmo que a preferência seja por uma unidade específica que ainda não tem vaga disponível, os pais só podem pleitear a transferência após a efetivação da matrícula em uma das unidades disponíveis”, lembra a superintendente.

Comentários do Facebook

Redação