Governo Federal anuncia bloqueio de R$ 6,73 mi no orçamento da Educação e Saúde

Governo Federal anuncia bloqueio de R$ 6,73 mi no orçamento da Educação e Saúde

Foto: Marcelo Casal Jr / Agência Brasil

Por Maria do Carmo Ribeiro

A equipe econômica do Governo Bolsonaro anunciou na manhã desta segunda-feira, 25, o corte no valor de R$ 6,73 bilhões do orçamento dos Ministérios da Saúde e Educação. Especificamente na Saúde o corte afetará no mínimo 80% da população brasileira que depende exclusivamente do Sistema Único de Saúde (SUS) para tratar da sua saúde.

Como gestor público, o governo federal sabe perfeitamente que os bloqueios afetarão diretamente a população mais vulnerável, pois, não bastasse o SUS ter que priorizar o atendimento à população por causa da Covid-19, ele também tem que atender as especialidades das mais de 152 milhões de pessoas que o têm como único acesso aos serviços de saúde, segundo dados do Centro Cultural do Ministério da Saúde.

Ao anunciar os cortes nesta manhã, o Secretário do Tesouro e Orçamento, Esteves Colnago, como um desconhecedor da realidade brasileira disse, “é natural que bloqueios venham desses ministérios, pois são as pastas de maior orçamento”. Ele só não explicou quais projetos e serviços dentro desses ministérios que terão cortes, apenas complementou que o mais será explicado a partir de um decreto a ser publicado ainda sem data.

Vale lembrar que este será o terceiro bloqueio no orçamento anunciado pelo governo só neste ano. Em maio o ministério da Economia já havia informado que cortaria R$ 9,9 bilhões do orçamento. No entanto, desse total, R$ 5,99 bilhões permaneceram bloqueados.

É importante ressaltar que durante a pandemia do novo coronavírus foi no SUS que a população encontrou atendimento que precisava para ajudar a controlar a doença. E, segundo especialistas no assunto, poderia ter sido melhor se o governo federal e sua equipe tivessem preparado o País para enfrentar a crise sanitária e evitado a tragédia que matou quase 700 mil pessoas, por causa da Covid-19, só no Brasil.

Comentários do Facebook

Redação